Reflexões sobre o terror

Sexta-feira, 13 de Novembro de 2015, data de uma tragédia anunciada. Este foi o dia em que o ISIS, também conhecido por Estado Islâmico, chegou à Paris, com toda a violência e crueldade que lhe são características.
Paris é o centro do multiculturalismo europeu e foi ali, entre tolerantes, que a intolerância fez suas vítimas fatais.
Depois da chacina, cabe-nos fazer algumas reflexões sobre o acontecimento, suas causas e suas consequências. 
Transcrevo aqui, algumas que passaram pela minha mente:
A guerra pós-moderna é como a arte pós-moderna. 
Não se sabe se aquilo é guerra tanto quanto não se sabe se aquilo é arte.
Na arte e na guerra pós-modernas podemos deixar de ser meros espectadores para fazermos parte do espetáculo, sem precisarmos entender seu sentido, sua mensagem, seu preâmbulo e seu epílogo. 
A arte pós-moderna está cada vez mais próxima da guerra e a guerra pós-moderna está cada vez mais próxima de nós.
~
Para quem não sabe, o Bataclan¹, epicentro da barbárie de ontem em Paris, é propriedade de judeus e já foi alvo de ataques antissemitas no passado. Não é por outra razão que quando bárbaros resolvem atacar a civilização, judeus tornam-se seus primeiros alvos. Estivesse esta propriedade em Tel-Aviv ou Jerusalém, a reação global seria a mesma? Quando isto ocorria por lá, não era. Quando os franceses tiverem que murar suas fronteiras isto também será considerado um apartheid? Civilizar-se significa também domesticar-se, perder ou abdicar daqueles comportamentos de selvageria, caracterizados pela irracionalidade e violência. Quem quer ingressar na civilização deve se submeter a este processo ou simplesmente deve ser deixado à parte. À parte, até que civilize-se como os demais. Apartheid (separação) com base na cor da pele, como ocorria na África do Sul; ou com base na ascendência religiosa, como ocorria na Alemanha Nazista, é racismo. Quando baseia-se no comportamento violento e selvagem de quem é colocado à parte, é autodefesa.
¹Casa de espetáculos em Paris
~
Estados Unidos da América é a civilização levada ao novo mundo. Israel é a civilização levada ao mais velho dos mundos. Não é à toa que ambos são frutos da barbárie que teve a Europa como palco. Parece que a Europa e a barbárie namoram faz tempo. É por isso que os sentimentos antiamericano e antissemita têm e tiveram forte apelo por ali.
~
O mesmo governo que chora as vítimas, massacradas por terroristas armados, desarmou-as, impedindo-as de se defenderem.
~
Interessante saber que fundamentalistas religiosos sabem que nenhum deles matará infiéis, em nome de deus, sem a ajuda de uma arma. Por outro lado, socialistas ateus acreditam que o governo irá salvar a todos de qualquer ameaça. Quem disse que é preciso ser religioso para ter fé?
~
Um homem-bomba é um assassino que julga e condena os outros à morte sem permitir direito de defesa às suas vítimas. Este é o primeiro e mais óbvio de seus crimes. O segundo crime é o que, dado o fato que quase todos os homens-bombas acabam suicidando-se, com a impossibilidade de se aplicar a lei sobre eles, fazem, também, perecer a justiça. A impossibilidade de se aplicar sobre eles uma punição, fundada nos princípios morais das vítimas e executadas por quem está a elas ligados, é, por si só, um atentado contra aquela civilização, contra aquela cultura, contra aquele povo e contra cada um dos indivíduos que clamam por vingança. A ausência de justiça impede que se restabeleça o equilíbrio, que se cicatrize as feridas e que se toque a vida para a frente com a alma lavada. O terceiro crime, é condenar os sobreviventes ao ódio, ao medo e à irracionalidade. É aí que reside a glória de qualquer ato de terror. Somente colocando a nossa emoção no devido lugar, subordinando-a à razão, é que conseguiremos não nos subjugar. Quando a racionalidade subsiste a qualquer ato de terror, podemos nos considerar vingados, podemos declarar com orgulho que a justiça prevalecerá, que a morte do suicida foi em vão e que a da vítima inocente não.
Facebook Comments
Anúncios

Comentários...