E?

O tempo e o espaço contados na Terra, um ano, dez anos, cem anos, mil anos, servem apenas como uma referência, linear e convencional para nos situar num universo multidirecional com dimensão e duração infinitas.
Não existe nenhuma relação, no entanto, com nosso deslocamento no campo das ideias que não é referencial, nem linear, nem convencional e, ainda por cima, é limitado. 
A evolução geracional não existe, no campo intelectual não pode ser determinada, nem garantida. 
É por isso que comentários do tipo: “Estamos no século XXI!” ou “Em que mundo tu vives?”, são indevidos. 
O homem é tabula rasa e o conhecimento acumulado e armazenado ao longo do tempo em diferentes lugares não é automaticamente transferido por meio das interações genéticas.
A cultura pode mudar de direção e sentido surpreendentemente e podemos nos ver no séc XXI vivendo em meio a ideias que predominavam nos tempos medievais.
Respostas sobre o que é certo ou errado, verdadeiro ou falso, sobre a moralidade, podem perder-se no tempo e no espaço porque a racionalidade e a honestidade, são processos volitivos, não instintivos e nem intuitivos.
Podemos ter um aprimoramento civilizatório em uma geração e uma deterioração total em pouco tempo, em qualquer lugar e a qualquer hora. 
Isto prova também que não existe o pensamento coletivo, nem democrático, nem consensual.
Um indivíduo, dotado das características ideais para mudar o curso do processo histórico é capaz de nos transportar através dos séculos muito mais rapidamente do que qualquer viagem interestelar.
Podemos ir dormir aqui e agora e, depois de um comercial de perfumaria que prega a liberdade individual, termos a sensação de que acordamos quinhentos anos atrás.
Facebook Comments
Anúncios

Comentários...